O que é Mídia Programática e como aproveitá-la no mercado pet?

 

Em 2014, quando o Marketing Digital chegou ao seu ápice no Brasil, um novo conceito também passou a ser introduzido no país: a Mídia Programática. De acordo com a consultoria Magna Global, esta modalidade de compra e venda de mídia movimentou US$ 0,6 milhão no país e há a estimativa de chegar a US$ 55,8 milhões até 2018.

Agora, o que é Mídia Programática? Como ela funciona e como pode ser implementada em uma empresa do segmento pet? É o que vamos responder neste artigo. Continue lendo!

O que é Mídia Programática?

Do inglês Programmatic Advertising, Mídia Programática, basicamente, é um processo automatizado de compra e venda de mídia no qual o público e os canais são escolhidos a partir dos dados demográficos. Com ela, os anúncios programáticos são lançados usando a lógica e as possibilidades da inteligência artificial.

Quando se atua com mídia programática, o que se está fazendo nada mais é do que comprar ou vender espaços em sites, blogs, redes sociais e outras plataformas virtuais de uma forma automática, sem a necessidade de intervenção humana. Ou seja, ao invés de fazer contato com os portais, sites etc. basta entrar em uma plataforma especializada, definir os parâmetros e comprar os espaços (no caso de quem tem espaço para anunciantes, usa se a plataforma para vendê-los).

É como se fosse um leilão onde os anunciantes dão seu lance e aquele que der a melhor oferta ganha o espaço para exibir seu anúncio (imagens, textos, áudio e vídeo).

Quer um exemplo bem conhecido de mídia programática? Observe o Google Adwords, a plataforma do Google onde é possível montar campanhas de anúncios a partir dos termos (palavras-chave e long tails) de busca mais procurados pelos internautas. O Google Adwords é muito popular, mas ele não é o único. Há uma série de outros provedores de anúncios que funcionam com uma lógica muito parecida.

Como funciona a Mídia Programática?

Depois de entender o conceito, agora é hora de saber como funciona na prática a mídia programática.

Em primeiro lugar, é importante saber que existem duas principais modalidades de compra de espaços para publicação de anúncios: fixas e leilão.

Entenda:

Modelo fixo

Trata-se da forma tradicional de compra e venda de anúncios adaptada ao ambiente virtual. Falando de uma maneira mais técnica, esta modalidade determina que o inventário comprado seja disponibilizado dentro de uma DSP (demand-side plataform, plataforma que conecta o publisher e o anunciante).

Modelo leilão

Nesta modalidade, como o próprio nome diz, acontece um leilão em tempo real, uma espécie de pregão quase igual à Bolsa de Valores, onde os analistas de marketing fazem seus lances e vencem aqueles que derem as melhores ofertas – quanto mais específicos forem os termos e quanto mais específicos forem os nichos, mais caros os valores.

A modalidade de compra ou venda dos anúncios e espaços para anunciar depende de uma série de fatores, por isso é importante avaliar qual destes dois formatos é mais interessante para a sua estratégia de marketing digital. O que importa é saber que sempre haverá um DSP para fazer a gestão dos anúncios, um dashboard onde se pode, em poucos cliques, escolher em quais sites você quer anunciar (ou em quais tipos de sites) para falar com o público-alvo – no caso do mercado pet, geralmente são escolhidos portais que falem sobre animais domésticos e outros assuntos relacionados.

Quais os benefícios da Mídia Programática para o segmento pet?

Tanto para quem tem espaço para anunciantes (publishers) quanto para quem quer anunciar (empresários, fabricantes, startups etc.), a mídia programática oferece uma série de benefícios. Dentre eles, os mais significativos são:

  • Precificação justa e transparente

Como tudo é negociado por meio de uma plataforma, os preços são transparentes e justos, pois se baseiam na relevância dos portais onde os anúncios serão veiculados e também na quantidade de buscas que cada termo têm na web.

Todos os que estão interessados em um determinado espaço para anunciar partem de um mesmo valor inicial de lances, o que diminui o stress de anunciar diretamente com o veículo de comunicação.

  • Compra e venda automatizada de anúncios

Não há necessidade de longas negociações via telefone, troca de e-mails etc., pois a plataforma pode ser operada em poucos cliques e, inclusive, pode ser programada para operar automaticamente.

  • Concorrência administrada mais facilmente

Mesmo que dois anunciantes queiram impactar o mesmo público, somente aquele que der o maior lance ganhará o espaço. Isso evita, por exemplo, que os internautas vejam anúncios de concorrentes diretos em um mesmo portal.

  • Alcance do público certo na hora certa

Como é possível segmentar a busca por espaços de anúncios por meio de dados demográficos (gênero, idade, localização, interesses etc.), fica muito mais fácil exibir anúncios para o público-alvo. Isso dá muito mais assertividade para as campanhas e evita o desperdício de dinheiro com anúncios que atingem muitas pessoas que não fazem parte do radar da empresa.

Em resumo, um fabricante de alimentos para animais, por exemplo, que quer ter seus anúncios exibidos para proprietários de pet shop ganha redução de custos, mais assertividade em suas campanhas de anúncios, administra melhor a concorrência e ganha mais poder de segmentação com a mídia programática.

Como implementar a Mídia Programática?

É importante saber que para implementar uma estratégia de mídia programática, você deve ter uma estratégia global de marketing digital. Quem já atua com Inbound Marketing e Inbound Sales tem uma vantagem maior, pois já possui uma lógica automatizada de atrair, se relacionar e vender por meio da internet.

Como trata-se de um trabalho que envolve muito conhecimento técnico, nosso melhor conselho é que você conte com ajuda especializada para implementar a mídia programática. Assim, não é preciso se preocupar com todo o trabalho operacional e nem perder tempo participando de leilões, por exemplo.

Se ainda assim, você e sua equipe de marketing acharem melhor realizar este trabalho sozinho, é importante conhecer bem os fundamentos da estratégia, o vocabulário próprio das plataformas e, sobretudo, caprichar na segmentação dos anúncios.

Você já possui uma estratégia de Mídia Programática? Gostou destas dicas? Deixe seu comentário!

Como sua empresa pode crescer através da mídia programática?

 

Recentemente, apresentamos aqui no blog o conceito de Mídia Programática. Falamos sobre os benefícios desta estratégia inovadora e também sobre como implementá-la em uma empresa do segmento pet. Agora resolvemos aprofundar a discussão e apresentar as oportunidades que podem ser aproveitadas com a mídia programática.

No artigo de hoje, você verá com mais detalhes os benefícios e também conhecerá alguns cases de empresas que já estão obtendo sucesso com a aplicação da mídia programática. Acompanhe!

Compra programática: adquirir e gerir anúncios de forma automatizada

Um dos benefícios mais visíveis da mídia programática é a possibilidade de automatizar a exibição de anúncios ao público certo na hora certa. E isso começa na hora de adquirir os espaços para o lançamento das campanhas.

Por meio de uma plataforma de compra e venda de anúncios (demand-side plataform, DPS), é possível agilizar todo o processo e evitar que a concorrência se destaque nos sites e blogs que o público-alvo da marca costuma frequentar.

Ao fazer uso deste formato de compra de mídia, é possível escalar o contato da marca com leads qualificados, engajar o público em vários formatos e telas e ter um dashboard com dados que podem gerar insights e ajudar a mensurar os resultados com mais precisão.

Para isso, é claro, é preciso segmentar bem o público-alvo (saber quem são as pessoas que se quer atingir), pensar em anúncios de impacto (explorar os vários formatos, tais como vídeos, áudios e imagens de alta qualidade), avaliar periodicamente o engajamento do público e o alcance dos anúncios e fazer a escolha correta dos locais onde os anúncios serão veiculados.

Mobile devices: explorar os dispositivos móveis para levar a marca ao alcance dos dedos

Outra forma de aumentar a visibilidade da marca e assim atrair mais leads qualificados para obter mais oportunidades de negócios é explorar os dispositivos móveis. Isso porque o acesso à internet está cada vez mais móvel, as pessoas passam grande parte do seu dia a dia buscando informações em seus smartphones e tablets.

Logo,  é importante que a criação de anúncios e outros formatos de conteúdo seja pensada para o ambiente mobile. Uma peça criada para ser exibida na web precisa ser responsiva, ou seja, se adaptar a qualquer tela onde o internauta estiver navegando.

O próprio Google recomenda intensificar as ações móveis e seu algorítimo de ranqueamento das páginas pontua melhor os canais amigáveis ao mobile.

Analytics: intensificar a cultura da análise em tempo real para testar e mensurar resultados

A própria natureza da mídia programática facilita a análise de dados, visto que tudo é gerenciado dentro de uma plataforma baseada em inteligência artificial, geolocalização e outras tecnologias que facilitam a coleta de informações sobre o público que visualiza, clica e interage com os anúncios.

No entanto, é preciso intensificar a cultura da mensuração de resultados por meio de métricas e análise em tempo real. Daí a importância de integrar os anúncios programáticos com outras ferramentas utilizadas na estratégia global de marketing digital da empresa (Google Analytics, Hubspot, Resultados Digitais etc.).

Case de sucesso: Nike conquista 2 milhões de internautas com anúncios programáticos durante a Copa do Mundo

As empresas têm utilizado a mídia programática para elevar a experiência do usuário ao estado da arte, gerar mais engajamento (sobretudo em redes sociais, que hoje movimentam grande parte do tráfego na internet) e obter dados que podem se transformar em informações úteis para tomar decisões comerciais mais inteligentes e entender o comportamento de seus consumidores alvo.

Um caso muito emblemático, no qual qualquer empresa de qualquer segmento pode se inspirar, é o da Nike. Em 2014, durante a Copa do Mundo realizada no Brasil, a companhia utilizou anúncios programáticos em tempo real para conectar seu público com a marca, então uma das patrocinadoras do evento.

Para isso, foram criadas peças imersivas em 3D e publicadas em sites e aplicativos de 15 países. O público podia interagir com estes anúncios logo depois que uma partida terminava, o que gerou mais de 2 milhões de engajamentos positivos. Além de entregar uma experiência inovadora em temos gráficos e interativos, a Nike também levou conteúdo relevante para aquele momento. Assim, ao mesmo tempo em que se divertia, o público podia ver informações sobre seus atletas preferidos — união da publicidade com o marketing de conteúdo.

Ideias para usar a Mídia Programática em uma empresa do segmento pet

Para finalizar, veja uma série de dicas para fazer uso da mídia programática em uma campanha no segmento pet:

  • Lançar anúncios de produtos e serviços em sites voltados ao mundo animal;
  • Entregar conteúdo personalizado para cada perfil de público-alvo;
  • Programar anúncios interativos em vídeo e 3D;
  • Entregar conteúdo relevante adaptado para qualquer tela em que o internauta estiver navegando;
  • Lançar ofertas de e-commerce usando inteligência artificial e geolocalização para atingir regiões e usuários específicos.

Sua empresa já conta com uma estratégia de Mídia Programática? O que você achou destas dicas? Deixe um comentário!

O que é Mídia Programática e como aproveitá-la no mercado pet?

 

Em 2014, quando o Marketing Digital chegou ao seu ápice no Brasil, um novo conceito também passou a ser introduzido no país: a Mídia Programática. De acordo com a consultoria Magna Global, esta modalidade de compra e venda de mídia movimentou US$ 0,6 milhão no país e há a estimativa de chegar a US$ 55,8 milhões até 2018.

Agora, o que é Mídia Programática? Como ela funciona e como pode ser implementada em uma empresa do segmento pet? É o que vamos responder neste artigo. Continue lendo!

O que é Mídia Programática?

Do inglês Programmatic Advertising, Mídia Programática, basicamente, é um processo automatizado de compra e venda de mídia no qual o público e os canais são escolhidos a partir dos dados demográficos. Com ela, os anúncios programáticos são lançados usando a lógica e as possibilidades da inteligência artificial.

Quando se atua com mídia programática, o que se está fazendo nada mais é do que comprar ou vender espaços em sites, blogs, redes sociais e outras plataformas virtuais de uma forma automática, sem a necessidade de intervenção humana. Ou seja, ao invés de fazer contato com os portais, sites etc. basta entrar em uma plataforma especializada, definir os parâmetros e comprar os espaços (no caso de quem tem espaço para anunciantes, usa se a plataforma para vendê-los).

É como se fosse um leilão onde os anunciantes dão seu lance e aquele que der a melhor oferta ganha o espaço para exibir seu anúncio (imagens, textos, áudio e vídeo).

Quer um exemplo bem conhecido de mídia programática? Observe o Google Adwords, a plataforma do Google onde é possível montar campanhas de anúncios a partir dos termos (palavras-chave e long tails) de busca mais procurados pelos internautas. O Google Adwords é muito popular, mas ele não é o único. Há uma série de outros provedores de anúncios que funcionam com uma lógica muito parecida.

Como funciona a Mídia Programática?

Depois de entender o conceito, agora é hora de saber como funciona na prática a mídia programática.

Em primeiro lugar, é importante saber que existem duas principais modalidades de compra de espaços para publicação de anúncios: fixas e leilão.

Entenda:

Modelo fixo

Trata-se da forma tradicional de compra e venda de anúncios adaptada ao ambiente virtual. Falando de uma maneira mais técnica, esta modalidade determina que o inventário comprado seja disponibilizado dentro de uma DSP (demand-side plataform, plataforma que conecta o publisher e o anunciante).

Modelo leilão

Nesta modalidade, como o próprio nome diz, acontece um leilão em tempo real, uma espécie de pregão quase igual à Bolsa de Valores, onde os analistas de marketing fazem seus lances e vencem aqueles que derem as melhores ofertas – quanto mais específicos forem os termos e quanto mais específicos forem os nichos, mais caros os valores.

A modalidade de compra ou venda dos anúncios e espaços para anunciar depende de uma série de fatores, por isso é importante avaliar qual destes dois formatos é mais interessante para a sua estratégia de marketing digital. O que importa é saber que sempre haverá um DSP para fazer a gestão dos anúncios, um dashboard onde se pode, em poucos cliques, escolher em quais sites você quer anunciar (ou em quais tipos de sites) para falar com o público-alvo – no caso do mercado pet, geralmente são escolhidos portais que falem sobre animais domésticos e outros assuntos relacionados.

Quais os benefícios da Mídia Programática para o segmento pet?

Tanto para quem tem espaço para anunciantes (publishers) quanto para quem quer anunciar (empresários, fabricantes, startups etc.), a mídia programática oferece uma série de benefícios. Dentre eles, os mais significativos são:

  • Precificação justa e transparente

Como tudo é negociado por meio de uma plataforma, os preços são transparentes e justos, pois se baseiam na relevância dos portais onde os anúncios serão veiculados e também na quantidade de buscas que cada termo têm na web.

Todos os que estão interessados em um determinado espaço para anunciar partem de um mesmo valor inicial de lances, o que diminui o stress de anunciar diretamente com o veículo de comunicação.

  • Compra e venda automatizada de anúncios

Não há necessidade de longas negociações via telefone, troca de e-mails etc., pois a plataforma pode ser operada em poucos cliques e, inclusive, pode ser programada para operar automaticamente.

  • Concorrência administrada mais facilmente

Mesmo que dois anunciantes queiram impactar o mesmo público, somente aquele que der o maior lance ganhará o espaço. Isso evita, por exemplo, que os internautas vejam anúncios de concorrentes diretos em um mesmo portal.

  • Alcance do público certo na hora certa

Como é possível segmentar a busca por espaços de anúncios por meio de dados demográficos (gênero, idade, localização, interesses etc.), fica muito mais fácil exibir anúncios para o público-alvo. Isso dá muito mais assertividade para as campanhas e evita o desperdício de dinheiro com anúncios que atingem muitas pessoas que não fazem parte do radar da empresa.

Em resumo, um fabricante de alimentos para animais, por exemplo, que quer ter seus anúncios exibidos para proprietários de pet shop ganha redução de custos, mais assertividade em suas campanhas de anúncios, administra melhor a concorrência e ganha mais poder de segmentação com a mídia programática.

Como implementar a Mídia Programática?

É importante saber que para implementar uma estratégia de mídia programática, você deve ter uma estratégia global de marketing digital. Quem já atua com Inbound Marketing e Inbound Sales tem uma vantagem maior, pois já possui uma lógica automatizada de atrair, se relacionar e vender por meio da internet.

Como trata-se de um trabalho que envolve muito conhecimento técnico, nosso melhor conselho é que você conte com ajuda especializada para implementar a mídia programática. Assim, não é preciso se preocupar com todo o trabalho operacional e nem perder tempo participando de leilões, por exemplo.

Se ainda assim, você e sua equipe de marketing acharem melhor realizar este trabalho sozinho, é importante conhecer bem os fundamentos da estratégia, o vocabulário próprio das plataformas e, sobretudo, caprichar na segmentação dos anúncios.

Você já possui uma estratégia de Mídia Programática? Gostou destas dicas? Deixe seu comentário!

5 passos para planejar uma promoção em redes sociais e atrair novos donos de animais de estimação

 

5 passos para planejar uma promoção em redes sociais e atrair novos de animais de estimação

Se você está querendo promover sua página, gerar muito engajamento e, de quebra, atrair mais clientes para o seu pet shop, concursos e promoções são um ótimo mecanismo, ainda mais se aplicados na conveniência das redes sociais e seu fluxo constante de usuários em busca de conteúdos interessantes. No entanto, canais consagrados como Facebook e Instagram estão longe de ser “território sem lei” para toda e qualquer ótima ideia que venha a se converter em prêmios para terceiros. Antes de determinar as regras da sua promoção em redes sociais, é preciso observar não só as regras desses sites, mas da Caixa Econômica Federal, que impôs uma série de restrições a esse tipo de atividade.

Neste artigo, você vai ficar por dentro dos 5 passos para planejar uma promoção em redes sociais e atrair muito mais clientes para sua loja. Confira.

Escolha do prêmio

Antes de escolher a promoção, o ideal é que você se reúna com o consultor de marketing da sua loja e defina que tipo de prêmio seria o mais atrativo para o seu público-alvo e o que agregaria mais valor para a sua marca. Em relação a Pet Shops/Clínicas Veterinárias, vouchers de compras e produtos  são boas opções. Mas, no caso de vouchers, o valor oferecido deve ficar dentro da margem de lucro da empresa, assim como os descontos, que não devem ser muito grandes para se evitar que a promoção acabe se tornando prejuízo.

Uma boa dica para que sua promoção realmente chame a atenção é seguir a linha da estratégia de marketing da sua loja nas redes sociais, aproveitando que a maioria dos usuários já conhece sua cesta de produtos e serviços,  o que torna o engajamento bem mais natural. Basta imaginar que quem já curtiu a página do seu pet shop no Facebook talvez estranhasse o fato de você sortear R$1000,00 em dinheiro, mas não um kit de produtos pet que ele viu exposto na estrada da sua loja na semana passada.

Escolha da  promoção

A escolha da promoção em redes sociais exige planejamento minucioso para não infringir nenhuma regra. Independentemente de você optar por concurso ou sorteio nas redes sociais, a distribuição gratuita de prêmios deve atender diretrizes da Caixa, que é o órgão regulamentador, sob pena de multa ou suspensão de até dois anos para novas promoções.  Confira em que consistem as principais modalidades:

  • Concurso: Qualquer seleção feita de acordo com talento e criatividade, desde que os participantes não apresentem condições desiguais de participação (ou seja, não deve ser válido para funcionários da loja ou seus familiares).
  • Sorteio: No sorteio, a contemplação deve ser feita com base nos resultados da Loteria Federal.

 

Vale destacar que o Governo Federal permitiu que as redes sociais cuidem apenas da divulgação das promoções, ou seja, concursos culturais do tipo “A frase mais criativa ganhará o prêmio” promovidos dentro do Facebook, por exemplo, são proibidos e é bom não descuidar porque a multa para a empresa pode chegar a 100% no valor do prêmio oferecido.

Veja as regras da Caixa Econômica Federal

Divulgando a promoção no Facebook

 

O Facebook é uma das redes sociais com mais regras para a divulgação de promoções. No entanto, para que você não se perca entre uma cláusula ou outra, basta saber o que pode e o que não pode fazer, de acordo com a lista abaixo:
O Facebook permite:
  • Coleta de envios de participação em comentários ou postagens diretas e mensagens;
  • Uso dos “likes” como mecanismo de votação;
  • Solicitar envio de participações através de comentários em imagens.

O Facebook não permite:

  • Solicitar marcações com tags em imagens de produtos nas quais os usuários não aparecem;
  •  Usar posts na página de eventuais usuários como maneira de mensurar;
  • Usar recursos do próprio Facebook como forma de validar a promoção (tornar obrigatório o “check in” ou a curtida na página da empresa referida).

Ademais, é recomendável rodar a promoção em aplicativo especial dentro do Facebook, jamais em murais ou eventos. Deixe sempre visível que a promoção em questão não é endossada pelo Facebook e sim pela marca. O banco de dados dos participantes cadastrados nas promoções deve ser auditável.

Respeitados esses critérios, resta que você use e abuse da criatividade tanto no conteúdo, quanto nas imagens, para que as publicações realmente chamem a atenção e tragam o retorno que você espera.  Lembre-se de, nessa etapa, atentar-se para a linguagem da sua persona. Qualquer dúvida, basta consultar o link de guidelines para promoções na própria página do Facebook.

Divulgando a promoção em outras redes sociais

Twitter e Instagram, outros canais bastante procurados para a divulgação de promoções, não são tão rígidos quanto o Facebook. O Twitter, por exemplo, solicita somente um cadastro formal fora do seu domínio – um hotsite, por exemplo. O Instagram, por sua vez, também não apresenta nenhuma política específica para a divulgação, embora recomende que as campanhas sejam organizadas por hashtags e estejam vinculadas ao perfil da empresa que promove a ação de marketing.

Escolha a sua rede social

A divulgação de uma promoção será tão mais eficaz caso você a faça na rede social adequada. Facebook, Twitter e Instagram, por exemplo, possuem dinâmicas diferentes de interação, bem como o tipo de conteúdo que veiculam. Portanto, procure sempre fazer uma análise na base de usuários cadastrados e veja qual das redes compensa mais o seu investimento, além de apresentar mais chances de ampliar o seu número de clientes.

Para resguardar a sua empresa de qualquer inconveniente, é essencial sempre divulgar, em local bem visível nas redes sociais, o regulamento completo. Se necessário, contrate uma consultoria jurídica para elaborar as cláusulas. Esse documento será o seu respaldo caso seja preciso se defender de questionamentos a respeito da idoneidade de todo o processo. Ah, sim. E se você quiser se inteirar sobre todo o regulamento da Caixa Econômica Federal sobre a distribuição gratuita de prêmios, basta acessar este link.

E então, o conteúdo desse post conseguiu realmente ajudá-lo a criar uma promoção em redes sociais? Você ainda tem dúvidas? Quais? Deixe seu comentário e nos ajude a ampliar essa discussão.

Ads em redes sociais: fazer por conta ou contratar um especialista?

O Facebook fechou o ano de 2015 com nada menos que a marca recorde de 1,59 bilhão de usuários em todo o mundo. O último balanço divulgado pela principal rede social criada por Mark Zuckerberg não deixa sombra de dúvidas:  é em canais como o Facebook que as pessoas estão e, consequentemente, onde o dinheiro está. E justamente para rentabilizar essa enorme base de usuários que entra diariamente em sites como Facebook, Twitter e Instagram para consumir notícias, imagens, gifs animados e interagir em chats, é que as mídias sociais resolveram oferecer às empresas a possibilidade de anunciar em suas timelines.

No entanto, os ads em redes sociais exigem conhecimento prévio acerca do orçamento que se tem para gastar, perfil do público-alvo, e período das campanhas, entre outros detalhes não menos importantes. Neste post, você fica por dentro de tudo o que precisa saber sobre os anúncios nas redes sociais,  além de descobrir se vale a pena contratar um especialista para gerenciar essa área. Confira:

Tipo de ads em redes sociais

Se é a primeira vez que você irá investir em anúncios nas redes sociais, irá se deparar com abreviaturas que tendem a te confundir num primeiro momento. CPC, CPV, CPA, etc. são apenas algumas delas. Entenda o que cada uma dessas siglas significam para não perder dinheiro:

  • CPC – Na modalidade mais comum, o Custo por Clique, é o anunciante que define o preço por cada click no seu ad;
  • CPA – No CPA, ou Custo Por Aquisição, o anunciante define o valor que pretende pagar por cada conversão;
  • CPM – No Custo Por Mil impressões, o preço que se deseja pagar por 1.000 visualizações é definido pelo anunciante;
  • CPV – O Custo Por Visualização é relacionado ao valor pago pela visualização de cada vídeo;
  • CPE – Já o Custo Por Engajamento é o valor pago por cada interação do usuário com o anúncio, ou seja, uma curtida, compartilhamento, visualização, etc.

Agora que você conhece as siglas, é hora de escolher uma rede social para chamar de sua e botar a mão na massa.

Saiba como atrair e converter mais donos de pets para sua pet shop e clínica veterinária

Principais redes sociais

Antes de sair criando campanhas por aí, é bom que você saiba que cada rede social tem sua dinâmica e conteúdo próprio, e nem todas podem ser ajustáveis à linguagem do público-alvo que seu tipo de negócio pretende atingir. Fique ligado nas principais características das redes sociais mais populares:

  • Facebook: A rede mais popular é também a que apresenta menos restrições em relação ao tipo de anúncio. Desde e-commerce até posts de blogs, tudo pode ser impulsionado nas timelines. Basta que você escolha muito bem o tipo de anúncio, para não sair com um rombo na conta no fim do mês e poucos resultados.
  • LinkedIn: O LinkedIn se intitula a maior rede profissional do mundo, promovendo networking e conteúdo de valor sobre mercado de trabalho e indústria. De uns anos para cá, resolveu também se transformar numa plataforma de anúncios que, diferentemente da liberalidade do Facebook, devem ser voltados para negócios.
  • Twitter: Os 140 caracteres de um tweet ou retweet de uma celebridade chegam a ser mais caros que muitos anúncios de televisão em horário nobre por aí. Além disso, há os trend topics – termos e palavras mais comentados na rede – e a seção para os anúncios tradicionais, que promove engajamento nos tweets, views em vídeos e clicks em websites, entre outras opções.
  • Instagram: Ótima plataforma B2C (Business to Customer), principalmente se sua empresa costuma usar e abusar de imagens em campanhas para engajar a audiência. Além disso, oferece integração com o Facebook, o que só amplia o alcance dos anúncios.  

E aí, qual a rede ou as redes irá escolher? Pronto para a etapa de segmentação?

Como funciona a segmentação

A segmentação dos ads em redes sociais é a parte mais fácil da campanha. Nessa etapa, você irá simplesmente definir qual o público-alvo e a abrangência do seu anúncio. Por exemplo, na página de empresa do Facebook, você pode tanto anunciar para pessoas que já curtiram a página e os amigos delas, quanto personalizar o público que deseja atingir com o anúncio de acordo com:

  • Idade
  • Localização
  • Gênero
  • Interesses
  • Orçamento e duração da campanha

É preciso reforçar que, quanto mais segmentada a campanha, mais chances você tem de atrair para seu negócio clientes em potencial e, quanto mais vasto o público-alvo, menor a chance do seu Ad ser clicado. Portanto, é essencial conhecer a sua persona na hora de segmentar seus ads em redes sociais. Vamos agora discutir a sua concorrência?

Como funciona a concorrência

Da mesma forma como acontece na plataforma do Google Adwords, o Facebook normalmente calcula uma relação CPC x qualidade do anúncio x CPC do concorrente x segmentação para definir o posicionamento do seu ad em relação ao do concorrente. Esse cálculo é feito diretamente pelo algoritmo, ou seja, não temos acesso a todas as informações para vencer o leilão e ficamos cruzando os dedos para o anúncio ficar numa boa posição.

Na verdade, o que podemos fazer para aumentar as chances de bater a concorrência é sempre criar ads com a melhor qualidade possível, visando conteúdo, segmentação e página de destino.

Agora que está por dentro das principais informações para um melhor aproveitamento dos Ads em redes sociais, vem a dúvida:  será que eu preciso mesmo de um especialista para fazer tudo isso para mim? Bem, embora os procedimentos sejam bastante simples para qualquer pessoa com boa vontade para entender dashboards de cada rede social, a visão do especialista é indispensável no sentido de otimizar seu investimento.

Só o especialista em campanhas terá o insight  necessário para evitar o dispêndio de recursos no impulsionamento de um post que não está gerando o tráfego esperado, de forma a redirecioná-los para outros conteúdos ou mesmo outros canais e não desperdiçar sequer R$1,00 do budget. Além disso, o especialista tem mais expertise para antecipar os passos da concorrência, sendo capaz de posicionar os anúncios com muito mais destreza e assertividade.

E então, preparado para anunciar o seu negócio nas redes sociais? Ainda tem alguma dúvida ou sugestão? Deixe seu comentário.

Como começar a investir em Adwords

Ser achado na internet hoje em dia pode ser um grande desafio para muitas empresas do mercado pet e veterinário. Porém, é fundamental estar presente e bem colocado nos principais motores de busca, como o Google. Mas muita gente se pergunta: “como faço para aparecer nas primeiras posições de pesquisa?”. Você tem duas opções: aparecer organicamente (SEO) ou investir em Adwords. Veja aqui neste post as 3 razões para investir em adwords.

Hoje vamos falar um pouco de como funciona esse investimento e como você pode ter retorno sobre ele. Acompanhe:

Como funciona o Google Adwords?

O Google Adwords é uma ferramenta que você paga para aparecer nos primeiros resultados das pesquisas realizadas. Nele você determina algumas palavras-chave que deseja relacionar ao seu anúncio e paga por cada pessoa que clicar no link.

Suponhamos que você tenha uma loja virtual (e-commerce) de vestidos para cães  e vai criar sua primeira campanha. A primeira coisa a fazer é entrar no Planejador de Palavras-chave e buscar por palavras que sejam relevantes para seu negócio e também tenham um bom número de buscas. Por exemplo, a palavra-chave “pet shop online” tem em média 9.900 buscas mensais e você pode pagar para aparecer nos primeiros lugares para quem busca isso no Google.

Como planejar a primeira campanha?

Tenha objetivos claros e não cometa erros que podem acabar com sua verba. A primeira coisa a fazer é definir qual o objetivo e em qual serviço você quer focar para atrair o público certo para seu website. Comprar a palavra-chave errada pode comprometer todo o resultado de sua campanha!

Por exemplo, se você tem um Pet Shop no Bairro da Aclimação em São Paulo, e quer fazer uma campanha de “banho e tosa” comprar a palavra-chave “Pet shop” pode não ser uma boa estratégia, pois pessoas do Brasil inteiro podem clicar em seu anúncio, consumindo sua verba e não utilizando o seu serviço.

Portanto, procure segmentar ao máximo as palavras-chave de acordo com o público que você pode atender. Definidas as palavras-chave, defina um orçamento a ser gasto.

Quanto você deve investir em AdWords?

Essa é uma pergunta difícil de ser respondida, pois para ter essa resposta você precisa fazer alguns testes e saber qual o retorno de investimento consegue ter com AdWords. Lembrando que suas campanhas podem ser otimizadas com o tempo, adicionando e retirando palavras-chave que convertem melhor do que outras.

Comece com um investimento baixo até acostumar-se com a ferramenta e começar a ter resultados com ela. Após essa primeira fase, vá acrescentando verba se a campanha está trazendo bons resultados e o custo de aquisição de clientes esteja valendo a pena.

Procure empresas especializadas

Caso não se sinta à vontade para colocar seu dinheiro em uma ferramenta um pouco complexa e com muitas variáveis, procure uma empresa especializada que pode te auxiliar a criar as campanhas. Essas empresas estão acostumadas pensar em estratégias e podem ser bem assertivas ao criar a sua, garantindo que o seu dinheiro será aproveitado da melhor forma possível.

Investir em AdWords pode ser uma ótima saída para se destacar em um meio que a cada dia fica mais disputado. Gerar leads de qualidade pode ser uma tarefa árdua, mas recompensadora quando se descobre o jeito certo de atrair pessoas que tem potencial para adquirir o seu serviço.

Conheça o plano Ilocal Pet.  Trata-se de uma metodologia de sucesso, em que oferecemos 2 modalidades (PRATA e OURO) para se adaptar às suas necessidades e evoluir constantemente a partir dos resultados obtidos com quase 300 clínicas veterinárias. Clique Aqui

Adwords para o mercado PET e Veterinário: 3 razões para investir

Olá Leitores da San Mídia Vet! Para quem não conhece o Adwords vou explicar um pouco o que é e como usar a segmentação de anúncios. Nos próximos posts podemos nos aprofundar um pouco mais, OK!? Então vamos lá?

O que torna viável o investimento em Adwords para o mercado Pet e Veterinário? O termo “adwords” ainda pode ser desconhecido para muitos, mas suas técnicas e benefícios, como o alto ROI — retorno sobre investimento —, não passaram em branco para muitas das empresas que decidiram ingressar de vez no Século XXI.

A questão é: o marketing digital se encontra em constante crescimento, e não isso é por acaso. Um fato que justifica esse crescimento é que mais da metade dos brasileiros estão conectados à rede mundial de computadores. Já imaginou o quão grande pode ser a proporção de usuários que utilizam de meios digitais para realizarem suas compras? Ou seja, pessoas que passam boa parte do tempo navegando online, deparando-se com dezenas ou centenas de anúncios. E se, ao avaliarmos isso, levarmos em conta o quanto seu empreendimento pode estar deixando de faturar por não estar acessível a essas dezenas de milhões de usuários?

É partindo desse princípio que lhe explicaremos como o investimento em adwords pode fazer a diferença, tanto na geração de tráfego como de conversões, não importando o momento de crise econômica vivida pelo país, nem mesmo o porte de sua empresa. Confira abaixo 3 grandes razões que mostrarão que sua marca pode, de fato, aparecer nos “holofotes” da internet.

Antes de tudo: o que é adwords?

Também conhecido como links patrocinados, adwords é um serviço oferecido por sites de busca para que empresas tenham seus anúncios vinculados a resultados de busca e em páginas de sites parceiros.

Quem está tendo os primeiros contatos com marketing digital talvez questione sobre a razão de investir em adwords, sendo que boas estratégias SEO podem gerar ótimos resultados para objetivos em comum sem a necessidade de investir dinheiro.

Aplicar técnicas SEO hoje em dia é algo elementar, porém, seu retorno demanda mais tempo para aparecer. No entanto, se a otimização de um site for complementada com adwords, os frutos podem ser colhidos de forma quase que imediata.

Anúncios segmentados

As campanhas de adwords não se limitam apenas à difusão de uma página. Afinal, pagar pela obtenção de tráfego não é, de fato, o que interessa no investimento.

O Google Adwords, por exemplo, permite que anúncios sejam apresentados somente para clientes em potencial, ao contrário dos meios convencionais de promoção, cujo público é abrangente, porém pouco qualificado.

Isso é possível através das segmentações, que podem ser aplicadas de acordo com as vias de acesso que o anunciante deseja que seus anúncios apareçam. Dentre os tipos de segmentação oferecidos pelo Google Adwords, por exemplo, existe a segmentação por canais, que pode dividir seus anúncios em sites, blogs, feeds de notícias, vídeos, jogos, fóruns, entre outros.

Para compreendermos seu funcionamento na prática, suponhamos que sua empresa anuncie vendas de brinquedos para cães, feiras de adoção, serviços veterinários e afins. Os anúncios aparecerão para quem esteja navegando por páginas relacionadas a esse nicho, como sites e/ou blogs que abordem temas do mundo pet e vet, assim como em vídeos relacionados a isso.

Outros tipos de segmentação

Há também outras segmentações altamente interessantes para o mercado pet. Além de segmentar através de palavras-chave e canais, também existem as categorias “experiência de usuário” e “remarketing”.

A primeira vincula os anúncios ao histórico de navegação do usuário, fazendo com que eles sejam impressos em quaisquer sites em que essa pessoa navegue.

Já o remarketing serve para que os anúncios de sua empresa apareçam sempre para quem já navegou, ou até mesmo consumiu, em seu site. Isso significa que a empresa sempre estará em sintonia com o cliente, ofertando produtos relacionados ao que ele comprou ou simplesmente relembrando-o dos produtos que cogitou comprar, mas que, por alguma razão, desistiu de prosseguir com a compra.

Investimento baixo e retorno alto

Um dos maiores atrativos quando se fala em adwords é a possibilidade de trabalhar com valores bastante acessíveis, diferentemente das mídias tradicionais.

Como as taxas são cobradas através do CPC (Custo por Clique), que, por sua vez, é definido pelo anunciante, é válido ressaltar a importância da segmentação de anúncios. Isso porque a segmentação de anúncios assegurará que o CPC não torne o investimento um gasto, já que somente o público alvo irá se deparar com os anúncios.

Um detalhe que demonstra como SEO e adwords andam lado a lado, é que as palavras-chave podem impactar — e muito — no retorno sobre investimento. É imprescindível garantir que seus anúncios sejam direcionados somente às áreas de interesse do seu público.

Por mais cômico que o seguinte exemplo possa parecer, não fará sentido o anúncio de seu pet-shop ser impresso em vídeos do grupo Pet-Shop Boys. Além de ficar fora de contexto, isso comprometeria a parcela de impressões que o anunciante tem direito.

Para que isso não aconteça, o adwords oferece opções para inserção de palavras-chave negativas (exclusões), que evitam que os anúncios apareçam em casos assim. Tomando as devidas precauções na utilização do adwords, calcular métricas, como ROI, estará longe de ser uma tarefa amedrontadora.

Entenda quais estratégias estão funcionando

Trabalhar com marketing é trabalhar com sua criatividade. Sendo assim, é comum que suas ações tenham impactos diferentes, que algumas ideias sejam compradas e outras não.

Através dos resultados obtidos com suas campanhas, é possível enxergar por quais caminhos a maioria dos clientes percorre para chegar até seu site. A partir dessa análise, basta otimizar a campanha retirando dela o que não deu o retorno esperado ou inserindo novas ideias.

Adwords para o mercado pet é uma tendência

Entender o funcionamento de adwords para o mercado pet pode ser o primeiro passo para elevar o patamar de uma empresa na internet. A eficiência nos resultados tem feito o serviço se expandir até as mídias sociais.

Falando nisso, que tal entender como o Facebook pode ser um poderoso aliado para suas campanhas? Sugerimos que leia o artigo para aprender como potencializar o alcance de suas campanhas através do Facebook Ads!

Alguma dúvida? Gostou do conteúdo?

Aproveite para deixar suas dúvidas e opiniões nos comentários, curtir e compartilhar nas redes sociais!

 

Facebook Ads: como atrair e converter mais compradores para sua petshop e clínica veterinária

O mercado Pet  hoje em dia, na hora de elaborar suas estratégicas de marketing digital, não podem — e nem devem — deixar de fora as redes sociais. Com a internet como parte integrante da vida das pessoas, são elas que estreitam o vínculo entre clientes e negócios.

O Facebook, a rede social sobre a qual falaremos no post de hoje, surgiu primeiramente como ferramenta despretensiosa de contato entre alunos de uma universidade norte americana. Hoje, ele é um gigante mundial, conectando bilhões de pessoas, tendo o Brasil no top 3 em usuários ativos.

Aliás, os brasileiros também estão no topo quando falamos em números de pets. Uma feliz coincidência para esse mercado e para os anúncios de petshop e clínicas veterinárias no Facebook. E um questionamento na cabeça de muitos empresários no ramo dos animais de estimação é sobre como a sua empresa pode usar as redes sociais no marketing digital, especificamente os Facebook Ads para petshop e clínica veterinária, a fim de atrair e converter mais donos de pets. Quer saber dessa e de outras respostas? Então acompanhe conosco o post de hoje e descubra!

Marketing digital e redes sociais

O marketing digital veio para ficar. A internet, antes pensada ser feita para usufruto dos mais intelectuais, hoje está no bolso e na bolsa de milhões, nos tablets, smartphones e no imaginário. O fortalecimento da internet é tão forte que os likes e compartilhamentos viraram forte moeda de troca e fortalecimento de marcas e empresas pelo mundo afora.

E as redes sociais são o novo mercado popular. Quem antes ia para as áreas públicas de comércio para saber das novidades e trocar indicações sobre os serviços e produtos oferecidos na comunidade, hoje faz o login no Facebook para procurar entre os seus contatos e sua linha do tempo as respostas, incluindo aí os contatos para quem deve cuidar dos seus estimados pets.

Aliás, dentro dessa rede social temos um tripé que serve de base para a maioria dos planos de marketing digital para conversão de clientes:

  • anúncios na coluna à direita.
  • anúncios e conteúdos na fanpage;

Sabendo utilizá-los, suas vendas têm tudo para aumentarem cada vez mais.

Os anúncios para petshop e clínicas veterinárias podem se tornar então fortes aliados na sua estratégia de marketing digital, para atrair e converter mais clientes nas redes sociais. Mas qual a melhor forma de fazer isso?

Facebook Ads para petshop e clínica veterinária — as leis da atração

Para atrair, é necessário conquistar através de uma relação próxima ao conceito de amor à primeira vista. É preciso se destacar entre o mar de publicidade (ir)relevante e se projetar no olhar do público-alvo. Esse é o momento de consultar o seu plano de negócios para saber o perfil desse consumidor. Idade, localização, hábitos de consumo, etc. Essas informações serão fundamentais para saber qual a linguagem a ser adotada para o texto do anúncio e qual a imagem. Sua logo, uma foto de um cão, de um gato, de uma ave ou de um animal exótico? Gírias, regionalismos, o que deve ser usado e o que deve ser evitado?

Outra coisa é o objetivo que você deseja alcançar. São muitos os motivos para se postar anúncios para petshop e clínicas veterinárias. Você pode estar querendo atrair mais curtidas para a sua fanpage, apresentar sua página na internet, seu e-commerce, lançar produtos, parcerias, promoções… E então você precisa do link para permitir, logicamente, o clique do visitante.

Como imaginamos que o seu objetivo é vender, os esforços devem estar voltados à apresentação — de forma diferenciada — dos produtos e serviços para o público-alvo.

Aumentando a conversão

Se você já conseguiu o clique no seu anúncio, uma parte do caminho já foi conquistada. Agora que a primeira parte do seu funil de vendas já foi estabelecido, sua equipe precisa trabalhar para fisgar o contato.

O processo pode até parecer fácil, mas o cuidado desse ser grande para evitar que seus esforços gerem apenas visitantes, e não compradores. Uma saída interessante é contratar uma agência de marketing digital. Assim, o seu negócio pode contar com uma expertise no ramo para transformar o seu investimento em Facebook Ads para alavancar as vendas.

A estratégia não deve ser apenas bem estruturada, mas também muito bem executada para aproveitar palavras-chave, conteúdo, produtos e serviços, iscas digitais e quaisquer outros materiais que sua empresa possa oferecer ao comprador, mas que às vezes, nem você mesmo viu.

Dicas

Seja persuasivo: crie chamadas que indiquem problemas comuns entre donos de pets e como você pode ajudar. Uma resposta a um clique de distância é um material irresistível para o publico.

Utilize imagens de alta qualidade: lembre-se de que elas serão o primeiro contato visual estabelecido. Não basta algo bonito, mas também funcional. Por exemplo, nos anúncios da coluna à direita, o espaço é bem menor, e colocar uma foto bonita e rica em detalhes, pode até gerar confusão em quem a visualiza.

Atenção ao texto: erros de digitação e de português não podem existir. Acabam passando uma imagem de desleixo da sua empresa junto ao público. Tenha a certeza na hora de publicar nomes de raças, produtos, marcas e outros para não fazer feio.

Não esqueça o direcionamento: o público pode se sentir traído se você fizer a propaganda para um produto indisponível ou de uma promoção que já expirou. Parece que você fez apenas uma isca para atraí-los e acabar frustrando as expectativas na hora de entregar o que prometeu.

E, por fim, o acompanhamento é sempre um item fundamental: por melhor que seja o seu plano, o universo é composto por mudanças e você precisa sempre se adaptar. Não tenha medo de experimentar e corrigir rotas quando necessário. Afinal, é das experimentações que se chega às inovações.

Prestando atenção às nossas dicas, você pode criar campanhas que ajudem a sua empresa a se estabelecer e crescer no mercado, aumentando a conversão. Não importa onde você está ou qual o seu tamanho, o Facebook Ads para petshop e clínica veterinária compõem uma ferramenta estratégica que deve fazer parte do marketing digital nas redes sociais da sua empresa. Esteja conectado e venda mais!

Você está gostando desse post sobre como atrair e converter mais compradores para sua petshop e clínica veterinária?